Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A estrada da Vida

por Paula Antunes, em 16.01.06
O Assumidamente é um daqueles blogs que me enche a Alma.

É paragem obrigatória nas minhas deambulações pela net, e garanto-vos que nunca saí de lá desiludida.

Mais uma vez hoje, as Mentes nos brindaram com uma pérola:

"Porque eu acho que vou conservando todas as idades que tive como se não tivessem expirado o seu prazo."


A frase é do Guitarrista.

E suscitou em mim uma torrente de emoções...
É que eu acho que não há melhor forma de ser feliz.

Julgo que por vezes nos esquecemos que somos uma construção. Uma construção de sonhos, de lugares, de pessoas. De ocasiões e de momentos únicos.
O presente é muito importante, mas não deixa por isso de ser um ponto numa linha. Na linha que é a estrada da Vida.

Revejo-me na frase do Guitarrista, porque encontro no dia-a-dia a Paula criança, a Paula adulta, a da velhice – que ainda não conheço bem, mas que espreita escondida nos recantos que guardamos em segredo.

Todas elas me surpreendem e me enriquecem, como mulher e como ser.
E tê-las em mim, não só me torna mais feliz, como me recorda que a nossa construção nunca está acabada, é uma aventura contínua e memorável.

O meu obrigado a vós, por me relembrarem da beleza do ser – que é infinita.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado às 17:14


2 comentários

De Mente Assumida a 19.01.2006 às 15:22

O presente é muito importante, mas não deixa por isso de ser um ponto numa linha. Na linha que é a estrada da Vida.

Grande conclusão. Obrigada a ti por nos leres com todo este cuidado e atenção.

Um abraço. :)

De Assumida Mente a 16.01.2006 às 21:57

Scorpio, a beleza do ser depende muito das memórias que somos capazes de guardar e dos sonhos que somos capazes de ansiar... é bom saber que os teus são infinitos ;-)

Comentar post



My Way: "Two roads diverged in a wood, and I, I took the one less traveled by. And that has made all the difference"

Paula Antunes


Paula Antunes

"Não estamos a legislar para gentes remotas e estranhas. Estamos a ampliar as oportunidades de felicidade dos nossos vizinhos, dos nossos colegas de trabalho, dos nossos amigos e das nossas famílias e, ao mesmo tempo, estamos a construir um país mais decente. Porque uma sociedade decente é aquela que não humilha os seus membros"

Zapatero


Caleidoscópio LGBT


Pesquisar

Pesquisar no Blog