Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Death Note

por Paula Antunes, em 04.08.11

 

 

Há uns dias fiquei com vontade de rever este anime, um dos melhores que por aí andam. Tinha-o visto pela 1ª vez há já alguns anos e após um 2º visionamento, mais atento, recomendo-o vivamente.

 

O mote da história é a existência de um caderno sobrenatural, um "Death Note" que um demónio (shinigami no original) deixa cair na Terra por estar entediado. Light Yagami, um dos melhores estudantes do Japão, com uma noção muito própria de justiça, é quem o encontra.

 

No Death Note há instruções sobre sua utilização, sendo a de base o facto de, se o nome de alguém for escrito enquanto se visualiza mentalmente o rosto desta pessoa, ela morre dentro de 40 segundos. 

 

Após testar o caderno, e apercebendo-se do seu poder e das possibilidades que ele oferece, Light tem a ideia de matar todos os criminosos de forma a criar um mundo novo, sem crime, e tornar-se o seu Deus.

 

É então que entra em cena a personagem de L, o outro lado da moeda de Light, maior detective do mundo e cujo objectivo é apanhar Kira (o assassino, Light). Os jogos psicológicos entre ambos, o nível de intensidade e o jogo do rato e do gato oferecem-nos a melhor parte deste anime. Pelo meio decresce ligeiramente o interesse, mas nada que estrague a grandiosidade da série. 

 

O final retira um pouco do misticismo das personagens principais, mas é uma boa lição de que o poder corrompe e deixa-nos perante a questão principal: "É o mundo um local melhor com ou sem Kira?". O mangá neste aspecto é genial, mas o anime é fiel ao mesmo e para quem prefere o género, este é sem dúvida um must a não perder. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado às 14:25



My Way: "Two roads diverged in a wood, and I, I took the one less traveled by. And that has made all the difference"

Paula Antunes


Paula Antunes

"Não estamos a legislar para gentes remotas e estranhas. Estamos a ampliar as oportunidades de felicidade dos nossos vizinhos, dos nossos colegas de trabalho, dos nossos amigos e das nossas famílias e, ao mesmo tempo, estamos a construir um país mais decente. Porque uma sociedade decente é aquela que não humilha os seus membros"

Zapatero


Caleidoscópio LGBT


Pesquisar

Pesquisar no Blog