Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O Poder das Palavras

por Paula Antunes, em 09.03.11

 

 

 

 

Sou acérrima defensora dos actos. São os actos, muito mais que as palavras ou ideias, que definem quem somos. 

 

Dito isto quero falar hoje das Palavras.

Sempre gostei de Ler. E de Ouvir. Apaixonei-me pelas Palavras desde criança, quando ouvia a minha avó cantar-me aquelas lenga-lengas (no sentido puro da palavra) que eram as estórias contadas oralmente, de pais para filhos, narrativas repletas de História e fantasia que tanto me fascinavam.

 

Gosto de ler e de ouvir porque me sinto muitas vezes transportada para realidades que não são minhas, mas que pela partilha, passo a reconhecer e a identificar, numa empatia que nos liga e enriquece.

 

É por isso que me fere a ideia, infelizmente cada vez mais comum, da banalização das palavras. A facilidade com que dizemos "amo-te", "amor da minha vida", "não consigo", "morro sem ti" e todo um corrupio de vocábulos despidos de emoções ou falseados, iludidos, desprovidos de continuidade, de tempo, de valor.

 

Hoje apetece-me bradar em segredo aos ceús Palavras Minhas :

 

Inefável. Contemplação. Encantamento. Saudade. 

 

E guardar a sete chaves, com merecimento, todo o Sentimento que acarretam para mim.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado às 17:46


2 comentários

De Isabel a 09.03.2011 às 20:43


Esses que dizem o que lhes vem directamente à boca não passam de tolos. Tapa os ouvidos e vive, sim, a plenitude das Tuas Palavras. Já viste quão bom é chamares-lhes isso sabendo que nada tas pode tirar? :)

De Paula Antunes a 10.03.2011 às 13:30

:)


Que idade é que tu tens mesmo?

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



My Way: "Two roads diverged in a wood, and I, I took the one less traveled by. And that has made all the difference"

Paula Antunes


Paula Antunes

"Não estamos a legislar para gentes remotas e estranhas. Estamos a ampliar as oportunidades de felicidade dos nossos vizinhos, dos nossos colegas de trabalho, dos nossos amigos e das nossas famílias e, ao mesmo tempo, estamos a construir um país mais decente. Porque uma sociedade decente é aquela que não humilha os seus membros"

Zapatero


Caleidoscópio LGBT


Pesquisar

Pesquisar no Blog